RÓSEO ENCONTRO

Através das frestas do coração 
o sol invade o pequenino lugar daquela tarde,
deixando um aroma de poesia.
As persianas desnudas recortam, no seu balançar, 
aquilo que ao longe parece indicar um oásis. 
Os sorrisos, os olhares lânguidos cheios de música e paixão
procuram aproximar-se dos labirintos interiores,
também eles iluminados 
pelo feixe de luzes desse momento de eternidade.
Os suspiros daquela musa, 
encantada pela presença do amante,
deixa-se enlevar pelo mistério
que até então desconhecia...
Os seus olhos brilham como estrelas refletidas no mar. 
Ela agradece intimamente pelo olhar daquele que a admira. 
Como o de um deus que viesse de visita 
a esse mundo de sonhos ensolarados, que é o amor...
De todas as maneiras os olhares novamente se cruzam. 
Oblíquos, maneiristas, vertendo desejos,
ansiando pela luz que permeia a descoberta dos sentidos...
A musa e o amante. Quanta ternura!
Que aconchegante momento pinçado pela vertiginosa vida...
Os braços se abraçam de modo sensual, 
e a brisa vem acompanhar a felicidade
que envolve o casal que nada vê, nada percebe.
O momento é de pura perda de si mesmo no outro...
O cenário é mínimo. Rósea é a perspectiva. 
Mas é o que basta para dizer muitas coisas 
a respeito da tranquilidade de uma tarde de amor.

Marina Alexiou é mestre em Filosofia pela PUC/SP e estudiosa das Artes. Escritora de prosas poéticas desde 2009, participou do livro “Coimbra em Palavras”,  lançado em Portugal em 2018. Gosta de colecionar belas imagens, pois elas a levam para o seu mundo simbólico inspirando a sua escrita.


Deixe uma resposta