CINCO SACRILÉGIOS: DA CULPA SOB OS DEDOS

toda palavra é muito pouca para enristecer os meus dedos
e os meus braços descamados pelo fogo
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀e as costas curvas
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀que abaularam os anos
para meter os olhos no conforto alheio

é muito pouca a palavra culpa
arrastando pesos
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀fósseis
que não estão no dicionário

a palavra voz imagino como uma bola de cores em dor
e calafrios nos ossos

estico os dedos e as culpas
e toco as culpas
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀agora
com as pontas dos dedos
e medos nas frestas da porta

a palavra continua pontiaguda
e difícil de descer sem miolo de pão

encontro nisso a beleza de um bicho faminto
pairando sobre as águas
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀feito verbo

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀declarando
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀nos dentes
⠀⠀⠀e nos ossos mastigados
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀todo o amor
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀da fome
⠀⠀⠀ pela morte que a sacia

Milena Moura é poeta, editora e tradutora. É autora dos livros Promessa Vazia (2011), Os Oráculos dos meus Óculos (2014) e A Orquestra dos Inocentes Condenados (Primata, 2021, no prelo), além de editora da cassandra, revista de artes e literatura voltada exclusivamente para o trabalho de mulheres. Integra também as equipes de poetas do portal Fazia Poesia e de colunistas da revista Tamarina Literária.


Deixe uma resposta