LIDERANÇA FEMININA DEVE SER NORMA, INSISTE CHEFE DA ONU

Em anúncio ao Conselho de Segurança, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, clamou por uma “paz verdadeiramente inclusiva” que tenha a participação e os direitos das mulheres “no centro de tudo o que fazemos”.

Citando as taxas crescentes de violência e misoginia; a extrema sub-representação das mulheres em cargos de tomada de decisão; e os inúmeros desafios enfrentados por aquelas em conflito, o chefe da ONU observou que o desequilíbrio de poder entre homens e mulheres continua sendo “a mais teimosa e persistente de todas as desigualdades”.

A diretora executiva da ONU Mulheres, Sima Bahous, destacou a necessidade de os governos e o Conselho de Segurança “intensificarem” a maneira como enfrentamos as questões de paz e segurança e incluírem as mulheres nos processos. Segundo ela, o momento pede um basta na exclusão de mulheres em lugares e contextos onde elas são impulsionadoras de mudanças.

Legenda: Ola Alaghbary, cofundadora e presidente de uma fundação jovem no Iêmen, trabalha para capacitar as mulheres a fazer mudanças positivas em suas comunidades | Foto: © Heba Naji

Não podemos mais excluir metade da humanidade das questões de paz e segurança internacionais”, disse o chefe da ONU, António Guterres, ao Conselho de Segurança na quinta-feira (21), enfatizando a necessidade de enfrentar plenamente os desafios e lacunas que continuam a impedir que as mulheres tenham voz igual.

“Hoje, a liderança feminina é uma causa. Amanhã, deve ser a norma”, disse o secretário-geral no encontro, abordando a histórica resolução 1325 sobre Mulheres, Paz e Segurança. Guterres também lamentou que: “As mulheres permanecem na periferia dos processos formais de paz e são amplamente excluídas das salas onde as decisões são tomadas”.

Mulheres da linha de frente – A exposição de fotos Em suas mãos: Mulheres tomando posse da paz retrata uma coleção de histórias inspiradoras de mulheres ao redor do mundo vistas através das lentes de mulheres fotógrafas. Ao visitar a exposição, o chefe da ONU disse aos embaixadores que a mostra retrata a dedicação de colaboradoras das Nações Unidas à “causa mais importante e consequente de todas, a paz”.

“Na segurança desta câmara, discutimos e debatemos caminhos de paz para países de todo o mundo”, apontou Guterres, lembrando que: “Mas as mulheres retratadas na mostra estão na linha de frente da luta pela paz”.

O secretário-geral da ONU se referiu às mulheres como construtoras da paz, agentes de mudança e líderes dos direitos humanos, e descreveu seu trabalho de mediação e negociação com grupos armados; implementação de acordos de paz; busca por transições pacíficas; e as lutas que travam pelos direitos das mulheres e coesão social em suas comunidades. No entanto, ele apontou que elas “permanecem na periferia dos processos formais de paz e são amplamente excluídas das salas onde as decisões são tomadas”.

Tendência desanimadora – Citando as taxas crescentes de violência e misoginia; a extrema sub-representação das mulheres em cargos de tomada de decisão; e a miríade de desafios enfrentados por aqueles em conflito, o alto funcionário da ONU observou que o desequilíbrio de poder entre homens e mulheres continua sendo “a mais teimosa e persistente de todas as desigualdades”.

“Em todas as emergências humanitárias, o relógio dos direitos das mulheres não parou. Está retrocedendo ”, lamentou o chefe da ONU.

Na Etiópia, as mulheres foram vítimas de violência sexual; no Iêmen, excluído dos processos políticos pelas partes beligerantes; no Afeganistão, passando por uma rápida reversão dos direitos conquistados nas últimas décadas; e no Mali, depois de dois golpes em nove meses, “ o espaço para os direitos das mulheres não está apenas encolhendo, mas fechando”, disse Guterres.

Acelerar os direitos das mulheres – O secretário-geral enfatizou: “Precisamos lutar e fazer o tempo avançar para cada mulher e menina”. O compromisso foi delineado na Nossa Agenda Comum e no Chamado para Ação em Direitos Humanos.

“Aumentar a representação e liderança das mulheres em todos os aspectos das atividades de paz da ONU é fundamental para melhorar a execução de nosso mandato e representar melhor as comunidades que servimos”, insistiu Guterres, e acrescentou que o apoio do Conselho Geral é fundamental para parcerias, proteção e participação feminina na ONU.

Em seu discurso, o chefe da ONU delineou as prioridades para alcançar a equidade de gênero e ampliar a participação feminina dentro da organização. Primeiro, as mulheres líderes e suas redes devem ser apoiadas para se engajar de forma significativa nos processos de paz e políticos. Em segundo lugar, as mulheres defensoras e ativistas dos direitos humanos devem ser protegidas enquanto realizam seu trabalho essencial. E, finalmente, a “participação plena, igualitária e significativa” das mulheres deve ser apoiada nas negociações de paz, na construção da paz e nos sistemas políticos à medida que os países fazem a transição para a paz, insistiu o secretário-geral ao apontar o caminho para equidade de gênero em missões de paz.

“Precisamos de plena paridade de gênero”, destacou o chefe da ONU. “Sabemos que isso pode ser feito”.

Promovendo os direitos das mulheres – As mulheres não deveriam aceitar retrocessos de seus direitos em países em conflito ou em qualquer outro lugar. Guterres disse que a ONU irá dobrar a “paz verdadeiramente inclusiva” e colocar a participação e os direitos das mulheres “no centro de tudo o que fazemos – em todos os lugares que fazemos”.

O secretário-geral completou que, a melhor maneira de construir a paz é por meio da inclusão e, para honrar o compromisso e a bravura das mulheres pacificadoras, devemos “abrir as portas para sua participação significativa”.

“Vamos avançar nos direitos das mulheres e dar a metade da humanidade a oportunidade de construir a paz que todos buscamos”, concluiu.

É preciso dizer basta – Para criar uma diferença tangível na vida de mulheres e meninas, a diretora executiva da ONU Mulheres , Sima Bahous, destacou a necessidade de os governos e o Conselho de Segurança “intensificarem” a maneira como enfrentamos as questões de paz e segurança.

Por muito tempo, a violência teve como alvo as mulheres e seus direitos; e as mulheres continuam a ser marginalizadas e excluídas “naqueles mesmos lugares onde podem impulsionar a mudança”, disse ela ao Conselho, alertando que: “Certamente chegou a hora de dizer basta”.

Portas abertas para as mulheres – Embora reconheça que a aprovação da resolução original seja um “fio de luz”, Bahous destacou que isso talvez não seja suficiente, mas mesmo assim a resolução deve ser usada na luta pela igualdade das mulheres.

Observando que os vastos gastos militares têm estado “em forte contraste” com os investimentos limitados em outras áreas, ela defendeu a redução desses gastos e expressou esperança de que os delegados compartilhem um senso de urgência sobre a questão, que impacta outras prioridades, incluindo os direitos das mulheres.

A chefe da ONU Mulheres também observou que o aumento da participação, combinado com a redução da venda de armas em ambientes pós-conflito, reduz significativamente o risco de retrocesso. Ela lembrou aos embaixadores que, embora “nações iguais sejam nações mais pacíficas”, a igualdade requer níveis mais altos de apoio para saúde e serviços relacionados.

Além disso, Bahous lamentou que as organizações de mulheres sejam mal financiadas, observando que, sem os recursos financeiros necessários, elas não podem realizar seu trabalho com eficácia.

Voltando-se para o Afeganistão, ela homenageou as mulheres que colaboraram com a ONU e cujas vidas agora estão em perigo, defendendo a abertura de portas mais amplas para aquelas que buscam asilo.

Mulheres na vigilância – Posteriormente, ex-políticas afegãs fizeram uma vigília para que o Conselho de Segurança pedisse à comunidade internacional que pressionasse o Talibã a “transformar suas palavras em ação” e cumprir as promessas feitas em 2019 no Catar, incluindo o apoio à educação de meninas e aos direitos das mulheres.

“A razão de estarmos aqui hoje é para nos reunirmos com diferentes Estados-membros e pedir-lhes que considerem as mulheres e os direitos humanos no Afeganistão uma questão de segurança nacional de seus próprios países, porque não é apenas uma questão política ou social, mas é uma questão de segurança ”, disse Fawzia Koofi, ex-negociadora de Paz e primeira mulher vice-presidente do Parlamento Afegão.

A ex-parlamentar afegã e presidente do Comitê Permanente da Câmara para Direitos Humanos, Sociedade Civil e Assuntos Femininos, Naheed Fareed, questionou se o mundo queria “registrar na história” o reconhecimento de “uma estrutura de fato existente no Afeganistão”, para representar as mulheres afegãs, sua dignidade e desejos. “Do meu ponto de vista, eles não [querem]”, disse ela aos jornalistas.

Matéria originalmente publicada em Nações Unidas Brasil em 22/10/2021 – Atualizado em 22/10/2021.


A ONU (Organização das Nações Unidas) é uma organização internacional formada por países que se reuniram voluntariamente para trabalhar pela paz e o desenvolvimento mundiais.


Uma vez
Mensal
Anual

Apoie a Trama e nos ajude a continuar crescendo!

Fazer uma doação mensal

Fazer uma doação anual

Escolha um valor

R$5,00
R$15,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00

Ou digite um valor personalizado

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

DoarDoar mensalmenteDoar anualmente

Deixe uma resposta