CINCO SACRILÉGIOS: O CORDEIRO E OS PECADOS DIVIDINDO O PÃO

abro os olhos para o milagre
todos os dias
às cinco e cinquenta

assim, bem cedo,
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀ainda no escuro,
admiro a resistência das pulsões mantenedoras
cumprindo seu ofício de manter

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀estou aqui

de olhos abertos e quase secos
feito criatura morta curtindo ao sol

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀  estou aqui
testemunhando o início
de mais um sopro de vida ameaçado
porém de pé e ainda inteira
e ainda atenta

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀ouvidos fixados nas trombetas de anúncio

nos choros soluçados
entre os rasgos
da muralha

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀sendo viva e apenas à espera

as águas se forçando nos tijolos
para tomar de volta o que foi seu
e eu pedra
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀   fingindo a firmeza
⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀     das ruínas

o sangue das imolas pingando dos batentes

⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀e eu ainda inteira

no alívio condenável dos caçulas
vendo o roçar das asas
nas testas dos primogênitos

Milena Moura é poeta, editora e tradutora. É autora dos livros Promessa Vazia (2011), Os Oráculos dos meus Óculos (2014) e A Orquestra dos Inocentes Condenados (Primata, 2021, no prelo), além de editora da cassandra, revista de artes e literatura voltada exclusivamente para o trabalho de mulheres. Integra também as equipes de poetas do portal Fazia Poesia e de colunistas da revista Tamarina Literária.


Deixe uma resposta