[CAÇADORA DE HISTÓRIAS] ARIEL MANSILLA: A ARTE NA PONTA DOS DEDOS

A América do Sul é um continente com veias próprias e sangue que pulsa nelas. Isso reverbera na culinária, na música, na hospitalidade de sua gente e na sua arte.

A arte latinoamericana é forte, rica e desvalorizada. Mas o artista tem tanto amor naquilo que faz que se espalha mundo afora feito pólen no vento de primavera.

Hoje, te apresento Ariel Mansilla, um guitarrista flamenco nascido e criado na nossa vizinha Argentina, em Buenos Aires, que encanta e emociona a todos com o dedilhar leve que nos transporta diretamente aos povoados argentinos e espanhóis.

América del Sur es un continente con sus propias venas y sangre que late en ellas. Esto repercute en la cocina, en la música, en la hospitalidad de su gente y en su arte.

El arte latinoamericano es fuerte, rico y subvalorado.Pero el artista tiene tanto amor en lo que hace que se esparce por el mundo como el polen en el viento primaveral.

Hoy les presento a Ariel Mansilla, un guitarrista flamenco nacido y criado en nuestra vecina Argentina, en Buenos Aires, que encanta y emociona a todos con el ligero rasgueo que nos transporta directamente a los pueblos argentinos y españoles.

Ariel Mansilla

Com toda sua generosidade, Ariel me concedeu uma entrevista que ajuda a ilustrar melhor como é sua relação com a música e especificamente com o flamenco. Vamos?

1) Quando se interessou pela música pela primeira vez?

Comecei desde muito pequeno e a guitarra aos 10 anos, muito novinho. Acredito que fiz essa escolha pelas sensações que a música e os sons geram em mim.

2) O que é a música pra ti?

A música é tudo pra mim. Minha vocação, minha profissão, minha paixão, minha vida.

3) O que diria a ti mesmo daqui 10 anos?

Realmente não sei. Dependerá de como estará minha vida nesse momento.

4) O que é a interpretação pra ti?

Quando toco a guitarra sinto que estou vivo, mais do que nunca, como se tivesse entrado no meu mundo.

5) Qual teu objetivo dentro da arte com a música flamenca?

Quero compartilhar a música que sai do meu interior, compartilhar amor, ideias, sentimentos e sensações através da guitarra.

Con toda su generosidad, Ariel me concedió una entrevista que ayuda a ilustrar mejor su relación con la música y concretamente con el flamenco.
¿Vamos?

1) ¿Cuándo empezó a interesarse por la música?

Comencé desde muy pequeño y la guitarra a mis 10 años, siendo un niño. Creo elegí por las sensaciones que me genera la música y los sonidos.

2) ¿Qué es la música para ti?

La música es todo para mi, mi vocación, mi profesión, mi pasión, mi vida.

3) Qué consejo te darías hace 10 años?

Realmente no lo sé, dependerá de mi vida en ese momento.

4) ¿Cómo te sientes con la guitarra?

Cuando toco la guitarra siento que estoy mas vivo que nunca, cómo si ingresara a mi mundo.

5) ¿Cuál es tu objetivo en el arte con la música flamenca?

Quiero compartir la música que sale de mi interior, compartir amor, ideas, sentimientos y sensaciones a través de la guitarra.

E, pra finalizar escrevo que pra mim é uma honra ter a oportunidade de conhecer e entrevistar Ariel, ver sua paixão pela profissão que o escolheu e ter brilho nos olhos cada vez que toca para o público.


Sou uma admiradora da pessoa, do profissional e de tudo o que ele representa através de um simples som: A voz de um povo que grita, mas não é ouvido.

Para acompanhar Ariel Mansilla e seus trabalhos, siga sua página no Instagram e se encante! Olé!

Y, finalmente, escribo que es un honor para mí tener la oportunidad de conocer y entrevistar a Ariel, ver su pasión por la profesión que lo eligió y tener un brillo en sus ojos cada vez que toca para el público.

Soy una admiradora de la persona, del profesional y de todo lo que representa a través de un simple sonido: La voz de un pueblo que grita pero no se escucha.

Para seguir a Ariel Mansilla y su trabajo, sigue su página de Instagram y déjate encantar. ¡Olé!


Queridas e queridos leitores!

Aqui, quem te escreve é Victória: Escritora, idealizadora do projeto Caçadora de Histórias e colunista da Revista TRAMA.

Começamos esse ano cheio de páginas em branco escrevendo a nossa e trazendo a coluna de maneira ainda especial, porém renovada. Aqui conecto minhas palavras com a arte que a revista respira e traremos, quinzenalmente, histórias de artistas de todos os vieses como literatura, música, cinema,
dança e muitos outros, ajudando a reforçar e relembrar o quanto somos bordados e perfumados por toda essa pluralidade.

Com carinho, esperança e muita fé,
Victória Vieira


Victória Vieira é escritora e idealizadora do projeto Caçadora de Histórias. Caçando e ouvindo histórias, vou escrevendo a tua com minhas palavras e te ajudando a ter um novo olhar sobre ela. Siga o projeto no Instagram.


Uma vez
Mensal
Anual

Apoie a Trama e nos ajude a continuar crescendo!

Fazer uma doação mensal

Fazer uma doação anual

Escolha um valor

R$5,00
R$15,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00

Ou digite um valor personalizado

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

DoarDoar mensalmenteDoar anualmente

Apoie pautas identitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.

Deixe uma resposta