FRACASSO E CRIAÇÃO

Minha franca e infundada convicção me leva a afirmar que as informações que coexistem na psique humana não se prestam à sintagmatização. Pode-se dizer, com base em mim1, que elas não se estruturam como quando verbalizamos. Escrever é, portanto, o movimento de expressão daquilo que se pretende traduzir, mensurar, acessar, fazer transparecer, de forma a organizar ou dar forma àquela subjetividade que se quer comunicar por meio da linguagem. É pressuposto que os enunciados estejam sujeitos às diversas interpretações possíveis e que, em sua gama imensurável de aberturas, elas possam se legitimar enquanto particulares propostas de significações por parte dos sujeitos alheios a esse pensamento que se exprime pela escrita. No entanto, dada essa infinidade de possibilidades, é provável que nenhuma corresponda àquela subjetividade primeira, a que inicialmente quis se fazer expressa. Comunicar se torna possível apenas à medida em que o escritor se conforma com seu fracasso na escrita de si – ou na escrita da ideia – e, com isso, se permite uma ação sem intenção. A comunicação se transmuta então em canto compartilhado, desarmônico e desafinado, já que a escritura cede lugar ao pensamento de sujeitos os quais a leitura compele às múltiplas interpretações que, por sua vez, dificilmente serão a mesma que motivou o processo de criação do autor.

Quão mais próximos ou mais distantes estamos na comunicação que se estabelece entre a escrita e a leitura? Criamos pontes ou abismos infinitos? Parto do pressuposto de que o inacessível é a condição da vida compartilhada entre os seres e que, da mesma forma que dois corpos não ocupam o mesmo espaço, jamais dois indivíduos poderão ser agenciados pelo mesmo ponto de vista, desta forma, estaríamos condenados a uma espécie de solidão no convívio com o outro.

Há um antropólogo2 (que indevidamente ouso citar) que dirá que o ponto de vista cria, não o objeto, como diria Saussure, mas o sujeito mesmo. Se partimos desse pressuposto, será possível afirmar que o ponto de vista que ocupamos para então nos constituirmos sujeitos justifica por si só a multiplicidade de pontos de vista? Pois, uma vez que nosso pensamento, quando escrito, torna-se capaz de evocar múltiplos pontos de vista, não seriam essas perspectivas o produto de perspectivas precedentes? Se nos constituímos enquanto sujeitos ao passo que ocupamos um ponto de vista, a expressão é capaz de produzir sujeitos? Ao que me parece, sim. Logo, o ato de escrever, mesmo em seu fracasso de comunicação, ou mesmo sem intenção, demonstra um potencial de criação que excede a produção escrita e se constitui então como o ato (ir)responsável de criação do sujeito.


1 O que é irrelevante, convenhamos.

2 Eduardo Viveiros de Castro.


Ana Beatriz Soli é escritora do que dá na telha, artista visual com o que está ao alcance e, enquanto não se pode dizer investigadora interdisciplinar, é graduanda em Letras na UNIFESP. Faz das humanidades e das artes o seu método de investigação da própria existência. Não sabe porquê nem pra quê, mas tem certeza de que quer ser lida.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s