[EXPOSIÇÃO VIRTUAL] ARTE INDIGESTA

Os meus traços são “esquizofrênicos” cheios de opacidade e estrangeiridade, pois sou estrangeiro no mundo, e as cores usadas na minha construção existencial só fazem sentido para os famintos, pois sou “o artista da fome”, cujas vísceras produzem uma revolta solidária. Os conceitos tratados são amargos e indigestos, apreciados por todos que sentem a dor da opressão das múltiplas injustiças sociais. Minhas obras são fundamentadas na filosofia e estética do absurdo, cujas principais referências são Franz Kafka e Albert Camus.

Minha arte é o nobre e o podre em constante dicotomia, como pensador e sua absurdeza; eis, portanto a não verbalização dos meus instintos, conduzidos pelo primitivismo anarquista e solidário, solidariedade esta que não se prostra diante das facetas capitalistas, dos separatistas cheios de falsas humanidades, e das corrupções.

Arte que sou que está em mim, traduz as distorções dos entes, as múltiplas e plasticidades infinitas do ser, integral e revoltado, contraria a toda hierarquização individualista e cruel, que nos submete a competições de ratos, comum nas relações humanas, sobretudo na contemporaneidade. Nas telas, reproduzo meu descontentamento com as indiferenças; nelas, estão, pois, as minhas vivências e observações que abstraí no submundo com liberdade. Vivemos sob o sistema que reproduz a maldade em larga escala e em todos os aspectos da vida, coisificando gente e personificando coisas. São belos estes versos teus, digo a mim; é a consciência de quem sente e sabe que o mundo anda invertido, que os valores são os que priorizam o ter ao ser. Tudo parece um abrigo: poemas, músicas, perfumes e cartões feitos sob encomenda para atender o mercado do amor.

A arte é tacar uma pedra na cara dos hipnotizados e soltar as cores vivas da utopia possível de outro mundo melhor sobre as cores opacas que vigoram. Elas transpassarão corações como raios solares, seu caráter não é exclusividade ou de cunho meramente poéticos, mas, em tudo. Está, pois, contida nesses símbolos tal premissa: “A natureza não é apenas humana”, que possui em si caráter simbólico, onde há uma representação das forças funestas da natureza, que é causa perene de terror para o homem em todas as suas instancias e entranhas, incluindo o moderno tecnologista da contemporaneidade.

Incluem-se também, nos mesmos, traços fantásticos do extraordinário mítico contrariando olhares apressados que não sofrem extremas misérias e humilhações, para a alcançabilidade, seja da imortalidade como nas epopeias, sendo esses, amor e sofrimento, níveis da existência mais autentica e mais humana possível.

(clique nas imagens para vê-las em tamanho completo)


Luis Santos é nascido na região periférica de Salvador-BA, professor de filosofia formado pela Universidade Federal da Bahia, artista plástico autodidata, escritor, poeta e escultor. Integrante do grupo “Arte Marginal Salvador” atualmente com o projeto “A Rua é o Museu do Povo”, criador do coletivo de artes visuais “Artistas invisíveis” cujo foco é a arte transgressora.


Uma vez
Mensal
Anual

Apoie a Trama e nos ajude a continuar crescendo!

Fazer uma doação mensal

Fazer uma doação anual

Escolha um valor

R$5,00
R$15,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00

Ou digite um valor personalizado

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

DoarDoar mensalmenteDoar anualmente

1 comentário

Deixe uma resposta