FUJAM DO MESSIAS QUE INFESTOU O TEMPLO

Uns dias atrás, conversando com um amigo (também colaborador na Trama), comentei sobre o quanto gostaria de me dedicar a alguns outros temas que não fossem a associação dos evangélicos com o bolsonarismo ou na construção do bolsonarismo com apoio evangélico, enfim. Tendo em vista que venho de uma série de publicações nesse sentido, disse a ele que mantinha, interiormente, certo receio em me deter nesse assunto e perceber que escrevo, exclusivamente, pela exaustão daqueles que gritam e nunca são ouvidos. Caso ocorresse, seria um golpe duro; afinal, é no ato da escrita me esperanço. Além disso, organizei minhas leituras neste ano para que se concentrassem na área do feminismo e teologia feminista, resultado de um incômodo que carrego por anos no que diz respeito à agência da mulher nos espaços ou comunidades de fé, sobretudo. Decidida a escrever sobre feminismo observo, na última semana, a recepção dada ao atual presidente em uma Igreja na cidade de Anápolis (GO).

A presença do então presidente nos templos e cultos não se configura como novidade, portanto, não me espanto. No entanto, no dia 9 de Junho de 2021 seu ingresso nesse espaço não se deu por simulação de membresia ou algo do tipo, ao contrário, foi convidado para ocupar o púlpito que, após a Reforma protestante no século XVI, mesclou uma conotação de autoridade e centralidade mais acentuada devido ao abandono dos altares característicos dos espaços da Igreja Católica Apostólica Romana. Para o avanço da Reforma combinou-se uma série de elementos, entre elas, as produções de literatura teológica e o rigoroso exame para a promoção de indivíduos aptos aos púlpitos, tal como Katharina Schutz Zell que se familiarizou com diversos reformadores (sobretudo após o seu casamento com Matthaus Zell em 1523) e iniciou uma série de diálogos com o intuito de responder os questionamentos que carregava desde o seu primeiro acesso a Bíblia — o que não tardou, já que ela aprendeu a ler e a escrever ainda muito jovem —. Sua rede de correspondências se ampliou e chegou até o próprio Lutero e o seu engajamento na prática e ensino teológico culminaram em grandes discussões com membros do clero. Estamos diante de uma teóloga marcada pelo seu cuidado social e pastoral que, para defender o seu lugar, desenvolveu argumentos que tinham como centralidade a perspectiva do caráter maternal de Cristo. Ainda sim, pregou publicamente por apenas 3 vezes. Com uma trajetória de peso, pôde subir em um púlpito por 3 vezes. Em uma noite, lideranças protestantes, ao entregarem o púlpito ao presidente, pisaram sobre o legado de Katharina, mancharam a tradição da Reforma que iniciou aquilo que dizem crer pois, deram a um homem moralmente repulsivo e com suspeitável experiência de conversão, o lugar que deveria ser ocupado com senso de eternidade, anunciando O Cristo e não um messias fajuto.

A busca do governo federal para a retomada de símbolos que foram usados como força de sua campanha em 2018, sobretudo, adentra o campo da regra de fé e profana a experiência religiosa dos evangélicos enquanto surge como opção de receptáculo dessa fé. Ou seja, uma opção com a narrativa de redenção e salvação. Redimir a família tradicional brasileira e salvar dos comunistas. Com isso, marginalizam Cristo. Sacrilégio. Na idolatria se encontra, mais uma vez na história, o compromisso público entre autoritarismo e religião.

 Se para o nazismo houve Dietrich Bonhoeffer, se para a ditadura civil militar brasileira houveram Renato Godinho Navarro, Anivaldo Padilha, Ana Maria Ramos Estevão, Clara Amélia Evangelista, Ana Maria Estêvão, Idinaura Aparecida Marques e Heleny Telles Ferreira Guariba, lideranças jovens da Igreja Metodista; Zenaide Machado de Oliveira, liderança de juventude da Igreja Presbiteriana Independente; Eliana Rolembe Rolemberg, da Igreja Luterana, líder de movimento de juventude ecumênica, entre outros[1], em resposta ao alinhamento da igreja institucional com uma política de morte, haverão outros muitos que, orgulhosamente, faço parte.

Por todas as vítimas de políticas de morte (o que inclui as quase 500 MIL vidas que foram ceifadas pela COVID-19 no Brasil dada a adoção e propagação do negacionismo de um genocida): presente! Assim, retorno a me esperançar.

“Apesar de você, amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver, a manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar, vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar, nosso coro a cantar
Na sua frente”.


(Chico Buarque)


[1] Para maiores detalhes, ver: https://www.cartacapital.com.br/blogs/dialogos-da-fe/memoria-e-utopia-mulheres-evangelicas-na-oposicao-a-ditadura/


Gyovana Machado é cristã, formada no Seminário Rhema Brasil, graduanda em História pela UFJF, bolsista no LAHES, interessada nas grandes áreas de teologia, política e feminismo.


Deixe uma resposta