Retrato de uma senhora

Benedito José Tobias, nascido em 1894, se dedicou ao exercício de retratar. Rejeitando exclusão, a mulher negra e idosa é sujeito de sua obra pictórica.

O Brasil, marcado por desigualdades, desenha, em um caminho biológico natural, velhices distintas. Envelhecer pode significar, mais uma vez, frente a depreciação social, se tornar, cada vez mais, invisível.

No retrato de título desconhecido de 1962, óleo sobre madeira aglomerada, temos no primeiro plano a figura de uma mulher de idade e, variando do recorrente fundo monocromático das pinturas de Tobias, no segundo plano observamos o que parecem ser folhas de bananeiras. A mulher retratada está inteiramente vestida de branco, – seria uma sexta-feira? – brincos perolados nas orelhas, um olhar cansado, talvez pelo exercício característico do trabalho doméstico ou do cuidado com as crianças.

A leitura que faço é a de que essa senhora representa conhecimento, carregado por anos, e ela também representa a potência de os transmitir para as próximas gerações, sem deixar, não só nossas histórias, mas nossas crenças, entendimento de mundo, morrerem. Para além de “mãe preta”[1] ou de “tia Nastácia”[2], podemos interpretar a pintura como uma concepção do saber empírico, fruto do conhecimento da vida, pelo seu exercício real.

Antítese da branquitude e da masculinidade, essa anciã é a excelência da beleza das formas e dos traços do tempo, por fora e por dentro.

Benedito José Tobias, título desconhecido, 1962.
Óleo sobre madeira aglomerada, 41 x 32 x 3,3 cm.
Fonte: Acervo digital Museu Afro Brasil
Acesso: 17 de maio de 2020.

[1] Um dos estereótipos dos escravizados, a “mãe preta” era imaginada como uma negra dócil, “domesticada”, corpulenta, supersticiosa, a ama-de-leite de índole fiel.

[2] Personagem da série de livros infantis de Monteiro Lobato, Sítio do Pica-Pau Amarelo, publicados entre 1920-1947. Nas próprias palavras do escritor, a Tia Nastácia era “a negra de estimação” da família que morava no Sítio. (LOBATO, Monteiro. Reinações de Narizinho. São Paulo: Círculo do livro, 1986.)


Carolina Cerqueira é artista visual e pesquisadora. Doutoranda em Artes, Cultura e Linguagens pela UFJF.


Uma vez
Mensal
Anual

Apoie a Trama e nos ajude a continuar crescendo!

Fazer uma doação mensal

Fazer uma doação anual

Escolha um valor

R$5,00
R$15,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00

Ou digite um valor personalizado

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

DoarDoar mensalmenteDoar anualmente

Deixe uma resposta