Estéreo – Capítulo 7

Ela me chamou para dormir em sua casa. Eu aceitei.

Mas era porque um amigo próximo iria fornecer maconha e pizza, e ela achou que seria bom eu ter uma outra experiência, em um ambiente mais calmo do que a rua.

Foi extremamente divertido. Interagimos os três como se fossemos velhos amigos e passamos a noite conversando.

Eu pensava, durante a ocasião, que se meus pais pudessem me ver naquele instante, teriam se arrependido de me deixar sair de casa, pois estava fazendo algo que na cabeça deles era errado e na minha era a coisa mais certa do mundo.

Assistimos filme, comemos, rimos e eu fiquei um pouco mais íntima do ato de fumar. E achei aquele amigo interessante e atraente, o que guardei para mim e apenas revelei quando já estávamos na casa de Ana.

– Aposto que ele também gostou de você. – Ela disse enquanto escovava os dentes, eu estava já deitada no colchão, pronta para dormir, relaxada.

– Será?

– Claro! Por que ele não se interessaria por você? – Ela adentrou o quarto, apagou a luz e fechou a porta. – Você é gata, gente boa e é minha amiga, o que dá o selo de qualidade.

Começou a trocar de roupa no escuro, colocando o pijama. Eu evitei olhar, fingindo prestar atenção à claridade que saía da cortina entreaberta.

Meu coração disparou quando eu a vi. Tentei me acalmar; tal como o segundo beijo, pensei ser impossível ter um terceiro momento de sorte.

Porém, mesmo tranquila, era impossível ficar totalmente inerte a sua presença – que se despedira com um sonoro “boa noite” e virou de costas para mim. Eu tentava desenhar seu contorno debaixo das cobertas com os olhos semicerrados, forçando para enxergar com tão pouca luz.

Queria sair de onde estava e ir até ela, fazê-la ouvir o que eu sentia, beijá-la. Me limitei a respirar fundo e tentar acalmar meu corpo que estava ansiando pelo dela.

Eu não conseguia dormir.

– Ei, tá acordada? – Ela se virou novamente para mim.

– Tô. – observei-a escutar minha resposta e se levantar, vindo até o colchonete.

Ela se agachou, encarou profundamente meus olhos e tirou minha coberta.

Eu permanecia deitada imóvel.

A respiração acelerando.

Ela passou uma perna por meu corpo, sentando-se sobre mim, e desceu seu rosto até o meu, onde me deu um beijo com uma vontade arrebatadora.

Instantaneamente tirei sua blusa, e sem nada dizer, ela tirou a minha.

Me sentei com ela no meu colo, nossas mãos percorrendo ferozmente o corpo da outra  costas, nuca, seios.

Ela se afastou, tirou sua calça e a calcinha e fez o mesmo com as minhas.

Nos sentimos nuas.

Pele na pele.

Excitação, calor.

O contato de nossos corpos quentes e úmidos de desejo.

As mãos e dedos passeando por cada parte, por cada canto.

Nosso fôlego saindo pela boca aberta que compartilhava línguas e lábios e gemidos abafados de prazer.

Nossas unhas arranhando a carne que se arrepiava.

Nossos olhos se observando no crepúsculo do quarto.

Nossos olhos de desejo.

Eu estava tendo a primeira vez que almejara.

“Nunca diga nunca” foi o que Mauricio dissera.

Nós tínhamos química, luxúria, gozo.

As quatro paredes do quarto testemunhando nossos dedos entrelaçados fortemente quando do êxtase.

Ela se levantou, vestiu as roupas jogadas, retornou para sua cama.

– Isso fica entre a gente. – Ela fitava o teto. Eu, a ela.

– Ok. – Foi o que me limitei a responder, ainda impressionada com o que se passara.


Barbara Pippa é nascida em Juiz de Fora, participante em antologias de poemas e contos. Acredita em astrologia e muda o cabelo de acordo com o humor.



Galeria: artistas para seguir na quarentena

Apoie pautas identitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.


Versão Impressa – Edição Conceito

Exemplar impresso da edição conceito da Trama, contendo os 10 textos mais lidos até sua diagramação. Autores selecionados: Ricardo Cristófaro, Dane de Jade, Enrique Coimbra, Gyovana Machado, Frederico Lopes, Caroline Stabenow, Gabriel Garcia, Marcus Cardoso, Kariston França, Paola Frizeiro, Luisa Biondo.

35.00 R$


Clique na imagem para acessar a loja virtual da Bodoque!

Deixe uma resposta