Editorial – O Papa e os Gays

“As pessoas homossexuais têm direito de estar em uma família. Elas são filhas de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deverá ser descartado ou ser infeliz por isso”
Papa Francisco

O Papa disse o óbvio. Mas que bom que disse.

Não é a primeira vez que o Papa Francisco se pronuncia em relação ao acolhimento da comunidade LGBT+ dentro da religião católica e a favor da legalização da união civil entre casais homoafetivos. Logo que Francisco foi eleito Papa, esse tópico foi amplamente discutido – aparentemente, da mesma forma que vem acontecendo hoje, sete anos depois. A população continua batendo cabeça sobre deixar ou não “o gay” casar.

Enquanto Pontífice Máximo de uma Igreja cujos dogmas moldaram as bases da dinâmica social que vivemos hoje (incluindo a maior parte das opressões, entre elas a de gênero e sexualidade), Francisco se mostra aberto e cristão, efetivamente. Prega o respeito às diferenças e, ainda que não faça movimento de reforma dogmática dentro da Igreja, incentiva o acolhimento do que ele mesmo chama de “desviante”. Considerando que, para além de Papa, Francisco é um homem idoso e fervorosamente católico (seu posto que o diga), há de se reconhecer que ele está muito melhor que a maioria de seus pares; e, honestamente, sou da opinião de que não cabe a ele, que acredita piamente na palavra de Deus na Bíblia, apoiar o casamento homoafetivo. O movimento que ele inicia ao apoiar a união civil e ao se pronunciar, de forma tão clara, que os LGBT+ não devem ser privados de uma família e que devem ser respeitados e acolhidos, já é de uma magnitude imensurável.

Não, eu não estou passando pano para o Papa – até porque, convenhamos, não haveria necessidade de se escrever o presente artigo caso fosse esse o propósito; a questão aqui é que, se ele discordasse tão veementemente dos dogmas de sua Igreja, ele não seria Papa. E a Bíblia, sim, restringe o conceito de ‘casamento’ para casais compostos por um homem e uma mulher; então, é compreensível que o Pontífice não toque na palavra ‘casamento’ jamais ao tratar dos direitos dos LGBT+.

Tirando o Papa da reta: há de se convir que o termo “casamento” já foi apropriado pelo meio social há tempos – tendo ele se tornado mais uma questão de contrato social do que efetivamente de religiosidade e crença numa validação por parte de Deus; vide o fato de que pessoas não-cristãs também se casam. Dá para entender quando Francisco diz que o ‘casamento’ é uma instituição feita para casais heterossexuais; mas será que dá para entender quando a sociedade civil assume esse discurso para si? Será que é aceitável que o casamento civil, o casamento-contrato, seja restringido aos casais heterossexuais, uma vez que a declaração de união civil não garante os mesmos direitos civis que um contrato de casamento?

Não. Não dá para entender. Não é aceitável. E Francisco, em sua fala (ainda que sem tocar no termo ‘casamento’), deixa isso claro. Nós temos direito a ser família. A constituir família. A ter família. E as nossas famílias devem ser reconhecidas e respeitadas, independente da crença de quem olha. Ora, se o representante máximo da cristandade, o responsável pela manutenção da lei divina na Terra, é capaz de fazê-lo, você, cristão, também é.

O Papa disse o óbvio. E que bom que disse. Enquanto exemplo supremo da cristandade, Francisco se mostra cristão perante o sofrimento daqueles que lutam por sua dignidade. E que o óbvio possa se tornar óbvio para todos os cristãos por aí.


Carol Cadinelli é jornalista, apaixonada por palavras. Escreve, edita, revisa, traduz, atua e, vez ou outra, fotografa. Atualmente, é editora na Trama e escritora nas horas vagas.



Galeria: artistas pra seguir na quarentena

Apoie artistas nessa quarentena. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.

Deixe uma resposta