Caçadora de Histórias: Gente é pra Brilhar

Todas, todes e todos nós carregamos na alma as delícias e as dores da nossa formação. Muitos traumas nunca nos deixam, ou nunca deixamos muitos deles. Mas ainda que difícil, é importante lembrar que “gente é pra brilhar, não pra morrer de fome”; e a fome de amor e de cuidado deve ser sempre satisfeita.

“Eu levei muito tempo até curar minhas feridas e hoje olho para a minha história com a certeza de que sou uma força e posso inspirar e levar esperança para as pessoas.

Vamos lá: Eu tinha 5 anos. Era livre e inocente, como toda criança deve ser, e carente do amor materno – pois fui abandonado após completar meu primeiro ano de vida.
Sempre tentei me aproximar da minha mãe frequentando a casa da família dela, principalmente dos tios que moravam na mesma rua. Numa dessas visitas, só tinha meu tio em casa, e pedi pra ficar ali até minha tia chegar. Então, ele disse que ia me dar banho pra esperar minha tia cheiroso. Minha pureza não viu maldade alguma ali. E então, fui ferido.

Não entendia porque aquilo estava acontecendo; minha mente inocente não pôde reagir. Alguém que confiava tirou minha alegria, infância e meus sonhos. Tive minhas asas cortadas e minha alma despedaçada. Aquele banho afogou minhas esperanças e cresci assustado, retraído, com medo do mundo. Com vergonha, pois me sentia culpado. Os anos que seguiram foram difíceis, e eu nunca pude dissolver esse trauma.

Algo que sempre esteve aceso dentro de mim foi a fé em Deus. Isso foi meu combustível, e conheci pessoas incríveis que foram meu apoio e suporte até hoje que é quando consegui falar sobre tudo isso.

Hoje me sinto bonito, forte, feliz e confiante, dentre outras qualidades que descobri e reencontrei dentro de mim.

A maldade de alguém pode nos derrubar e tirar o oxigênio da vida; mas quando o amor, amor genuíno, cruza nossas vidas, um gigante desperta dentro de nós e mostra que apesar de termos um grande desafio, Deus nos tem nos braços. Vi Deus em todas pessoas que me salvaram.

Aprendi que ninguém cala uma criança e, um dia, esse pó que ela se via, virou estrela – que brilhou com tanta potência, que tocou o céu.”

Gostou da leitura? Então vou te contar um segredo: Contar histórias é a medicina da minha vida.

Uni tudo isso num projeto que floresce de maneira vagarosa e especial que se chama “Caçadora de Histórias”. Tu podes conferir ele lá no Instagram e se quiser participar, escreve para mim através do e-mail tuahistoriaaqui@gmail.com e me deixa te ajudar a enxergar a heroína/herói que és em tua própria trajetória.


Victória Vieira é escritora e idealizadora do projeto Caçadora de Histórias. Caçando e ouvindo histórias, vou escrevendo a tua com minhas palavras e te ajudando a ter um novo olhar sobre ela. Siga o projeto no Instagram.



Galeria: artistas pra seguir na quarentena

Apoie pautas identitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.

Deixe uma resposta