Quando eu for embora

Quando eu for embora,
Prometa não me guardar
Em um lugar perdido e longe
No fundo da sua memória.

Quando eu for embora,
Prometa lembrar sempre
Do meu sorriso, meus abraços,
Dos meus prantos, e da nossa história.

Quando eu for embora,
Prometa não esquecer dos seus sonhos,
De seguir com a vida e sorrir para o sol.

Quando eu for embora,
Se permita chorar, mas levante a cabeça,
Me dê um último beijo e me leve no coração.

Karina Mendonça é jornalista e escreve desde os 17 anos, pois acredita que as palavras podem fazer coisas maravilhosas, desde mudar o mundo, até fazer alguém sorrir. Ou chorar.



Galeria: artistas pra seguir na quarentena

Apoie pautas identitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.

Deixe uma resposta