Colonizados

Quando me vi dentro, eu já havia caído.
Meu medo me encarava, mas foi de mãos dadas que
continuei seguindo
Onde já se viu o passado me olhando
o futuro fervilhando bem atrás de mim
todo mundo me abraçando, mas sem ninguém ali?!

Já não somos como éramos antes
Estamos lutando para identificar o nosso lugar
Qual lugar?

A máscara que previne a vida
já não irá nos calar
pois a marcha dos soldados ecoa sob as fendas agora
Quantas vidas vão embora?

Mas há de vir nova aurora
A primavera há de chegar!


Alexya Soares é psicóloga, estudante de teatro e escritora quando o tempo pede.



Galeria: artistas pra seguir na quarentena

Apoie pautas identitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.

Deixe uma resposta