Um instante de dor, uma obra literária.


Desde a adolescência, Salvador Elizondo capturou os momentos de sua vida – até 26 de março de 2006, apenas três dias antes de sua morte.

“Farabeuf ou A Crônica de Um Instante” é seu primeiro livro e é considerado um de seus grandes trabalhos por seu efeito cinematográfico e poético. Ele começou a escrevê-lo em 1963 e o publicou dois anos depois, sendo considerado uma obra em estilo romano nouveau. A inspiração para o trabalho foi uma fotografia do livro de George Bataille, “Les Larmes d’Eros”, que retrata o momento culminante da tortura chinesa chamada “lengchi”, aplicada a um homem que se assemelha a Xipe-Totec (divinidade azteca), o deus esfolado.

“O caráter inesquecível do rosto dos torturados, um ser andrógino que parecia extasiado com o céu enquanto os carrascos tentavam massacrá-lo, revelou algo como a essência mística da tortura”, disse ele em entrevista. 

“Lembrar?” É uma pergunta constante feita pelos personagens do romance, uma pergunta para o leitor. 

O texto retrata os relacionamentos amorosos de um homem e uma mulher com uma aura de aspectos da cultura chinesa, a qual o autor disse ser uma cultura que não havia se desvendado totalmente. Elizondo conhecia o mandarim e traçava constantemente os caracteres chineses em seus diários. Exatamente o “liu”, caractere chinês para o número seis, aparece na capa do livro e no volume que comemora o meio século de existência dessa obra.

 “A ambiguidade da escrita chinesa é maravilhosa e, dessa forma, que se forma ali, na imagem da vítima, podemos deduzir todo o pensamento capaz de transformar essa tortura em um ato inesquecível”, escreveu ele em Farabeuf. 

Elizondo se apaixonou por essa ideia quando viu a imagem no livro de Bataille, com o qual, ele disse, tinha um tipo estritamente formal de dívida por trazê-lo para mais perto de um “documento estético carregado de conteúdo psicológico capaz de ser convertido em efeito”.

Apenas um ano após a publicação, Elizondo escreveu em seu diário: “Tentei reler o Farabeuf e isso me aborrece. Alguém nos destruiu. Talvez nós mesmos … Visão negativa da foto do chinês que foi tirada à noite. Que horas eram quando as pessoas imploraram a ele?”.


Lizeth Goméz de Anda é jornalista, apaixonada por letras, rádio e música. Atua como repórter no El Heraldo de Mexico.


Galeria

Apoie pautas identitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.

Versão Impressa – Edição Conceito

Exemplar impresso da edição conceito da Trama, contendo os 10 textos mais lidos até sua diagramação. Autores selecionados: Ricardo Cristófaro, Dane de Jade, Enrique Coimbra, Gyovana Machado, Frederico Lopes, Caroline Stabenow, Gabriel Garcia, Marcus Cardoso, Kariston França, Paola Frizeiro, Luisa Biondo.

R$35,00


Clique na imagem para acessar a loja virtual da Bodoque!


Deixe uma resposta