Street Portraits – Exposição

Artista: Sunayana Deka

Texto: Carol Cadinelli

A cultura indiana é frequentemente considerada por nós, pobres ocidentais, como “exótica”. Confesso que nunca gostei desse termo e, depois de viver na Índia e estar nessa posição de preencher a lacuna de ‘elemento exótico’ na visão de boa parte das pessoas que passavam por mim cotidianamente, gosto menos ainda. Colocar uma pessoa, e que dirá uma cultura inteira, nessa caixinha, é definir por exclusão, limitação, silenciamento de diversidades; sobretudo quando se é estrangeiro em meio ao cotidiano de uma sociedade local. Sendo assim, o dia a dia de um país, de um povo – nesse caso, o indiano – carrega em si uma multiplicidade de origens, costumes e idiomas, portanto, jamais pode ser considerado “exótico”.

Nesse sentido, o trabalho fotográfico de Sunayana Deka contribui de forma rica e insubstituível para a “des-exotificação” da Índia, quando vistos por um olhar ocidental. Viajante, a artista aborda em seus retratos de rua uma cultura que é diária, que é corriqueira, que fala do “povo indiano” como cada indivíduo, com sua história pessoal e percepção particular sobre a mesma.

A exposição ‘Street Portraits’ foi curada pela própria artista, que utiliza técnicas simples de pós produção, dando espaço de fala a sua percepção quase crua em cada imagem. Yana, como gosta de ser chamada, é moça de poucas palavras, e conta um mundo de histórias através de seu olhar fotográfico.

The Indian culture is often considered by us, poor Westerners, to be “exotic”. I must confess I never liked that word and, after living in India and being in this position to fill the “exotic element” gap in the eyes of most of the people who passed by me daily, I like it even less. To put a person, and even more an entire culture, in this box, is to define by exclusion, to limit, to silence diversities; especially when you’re the foreigner in a day-by-day context of a local society. Therefore, the daily life of a country, of a people – especially the Indian people, which carries a multiplicity of origins, customs and languages in it ​​- can never be “exotic”.

In this sense, the photographic work of Sunayana Deka contributes in a rich and irreplaceable way to the “de-exotification” of India, when seen by a western eye. A traveler, the artist addresses in her street portraits a culture that is daily, that is commonplace, that speaks of the “Indian people” as each individual, with their personal history and their particular perception over it.

The exhibition ‘Street Portraits’ was curated by the artist herself, who uses simple post-production techniques, giving her almost raw perception in each image a space to speak. Yana, as she likes to be called, is a lady of few words, and tells a world of stories through her photographic gaze.


I am a woman , I have got two children, we somehow try to survive on our daily needs and food on the streets .
Life is hard but yet I am not complaining, here I am making a meal to have altogether.
I am getting old enough now, my muscles are starting to drench,
I have pulled rickshaws all throughout my life, fed my four children and have run a family.
I am at least happy that in this life I have learnt enormous things from the people and life experiences.
Delhi , 2017 
“Would you like to go to school?”
Yes .
“Why are you here selling flowers?”
Mother told us.

Every child deserves a good life , food , good clothes to wear , they aren’t supposed to beg an make a living. 
Children are a blessing .
Daily jobs that I cannot stop to feed my stomach,
My son died in an accident.
Mumbai, 2017 
I read and learn daily
Mumbai , 2017 
“Sleep tight, with your dreams high”

Sunayana Deka é fotógrafa e viajante, natural de Guwahati, India. A lost soul. I capture people, things and get amazed my nature’s creation. I believe in peace. Atualmente, está baseada em Dubai. @ladymitshu

Carol Cadinelli é jornalista, apaixonada por palavras. Escreve, edita, revisa, traduz e, vez ou outra, fotografa. Atua como Social Media na Peregrina Digital, assistente de edição na Trama e escritora nas horas vagas. @carolcadinelli


Galeria: artistas pra seguir na quarentena

Apoie artistas nessa quarentena. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.


Versão Impressa – Edição Conceito

Exemplar impresso da edição conceito da Trama, contendo os 10 textos mais lidos até sua diagramação. Autores selecionados: Ricardo Cristófaro, Dane de Jade, Enrique Coimbra, Gyovana Machado, Frederico Lopes, Caroline Stabenow, Gabriel Garcia, Marcus Cardoso, Kariston França, Paola Frizeiro, Luisa Biondo.

R$35,00


Clique na imagem para acessar a loja virtual da Bodoque!

Deixe uma resposta