Texto-rio

Nesses últimos meses venho me debruçando sobre estudos de copywriting, ux writing e técnicas de SEO. Quanto mais eu me aprofundava nesses engarrafamentos de palavras, mais eu refletia sobre o meu processo de escrita. Por consequência, quanto mais eu divagava sobre o assunto, mais próximo eu chegava de uma conclusão: a escrita é um rio.

Segue o fluxo.

A escrita nasce da chuva de ideias. 

Como gotículas de água, cai sobre a superfície do texto de maneira aleatória. 

No início, as gotas caem aleatoriamente, mas quando se unem formam uma pequena nascente e o texto começa a surgir.

A escrita flui pelos dedos até transbordar ideias, contextos e reflexões. 

A escrita, como um rio, deve fluir e conduzir os leitores.

Os leitores escolhem entre seguir refletindo pela margem, boiando pela superfície ou mergulhando, sem medo, no amontoado de palavras. 

Como um rio, a escrita vai correndo, contornando obstáculos com liquidez e flexibilidade, vai banhando a terra e levando vida, até que desague no mar.

Não sei o que acontece quando a escrita vira oceano, mas, por hora, me contento em imaginar a minha escrita como um rio. Tem sua própria forma, segue suas próprias regras e… acima de tudo, é livre!


Luisa Biondo é redatora, mas ama desenhar e fotografar. Atualmente trabalha em uma agência de marketing e nas horas vagas faz uns rabiscos que ficam guardados na gaveta


Galeria: artistas para seguir na quarentena

Apoie pautas identitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.


Clique na imagem para acessar a loja virtual da Bodoque!

Deixe uma resposta