Dog Whistle

Na vida e na arte nem tudo é exatamente o que parece. Nossa capacidade de atribuir significados ao que nos cerca geralmente vai muito além das impressões lógicas, já concebidas no imaginário coletivo em geral. Isso quer dizer que, em linhas gerais, o significado do que vemos, nem sempre se reduz às definições do senso comum.

Sendo assim, logo podemos perceber que nossas ações, roupas e objetos pessoais, carregam significados que vão além da sua utilidade habitual. Em alguns casos, alguns desses objetos, comportamentos ou roupas, podem ser utilizados por grupos para simbolizar algo maior, algo em comum.

Com o fim da segunda guerra mundial, os nazistas foram perseguidos e a ideologia nazista criminalizada. Por outro lado, na modernidade, outros símbolos foram levantados para manter o culto ao ego supremacista vivo nas alcovas da sociedade. 

Na Alemanha nazista de Hitler, Joseph Goebbels fazia reuniões incentivando os participantes a beberem leite. Segundo historiadores, o gesto simbolizava o reinado do povo ariano sobre os outros povos, e não por acaso também foi utilizado pelos defensores do apartheid na África do Sul, onde as ideias racistas se baseavam também na capacidade de digerir a lactose.

No cinema, vários filmes se apropriaram do consumo de leite por vilões para abrir interpretações capazes de caracterizar a influencia do pensamento nazista em comportamentos de violência extrema, supremacia branca e ideologias hoje acolhidas pela extrema direita no espectro político moderno.

Hans Landa, personagem nazista de Bastardos Inglórios / Crédito: Divulgação
Cena de Rose Armitage em Corra / Crédito: Divulgação

Nesse sentido, movimentos neonazi se aproveitam da suposta ingenuidade contida em um copo de leite para realizar o que conhecemos como Dog whistle, ou “Apito de cachorro”. Caso você não saiba, a prática do Dog Whistle consiste em uma mensagem política que emprega uma linguagem em código que parece ter determinado significado para o senso comum ou para a população em geral, mas que esconde um significado específico e diferente para um subgrupo alvo.

Por isso, desconfie de pronunciamentos políticos que possuem um copo de leite adornando sua mesa, rodeado de sorrisos largos. Nem sempre as coisas são o que aparentam ser.


Frederico Lopes é Artista, educador, encadernador e escritor. Trabalha no Memorial da República Presidente Itamar Franco, Museu de Arte Murilo Mendes e é fundador da Bodoque Artes e ofícios e da Revista Trama.


Galeria: Artistas para seguir na quarentena

Apoie artistas nessa quarentena. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.


Versão Impressa – Edição Conceito

Exemplar impresso da edição conceito da Trama, contendo os 10 textos mais lidos até sua diagramação. Autores selecionados: Ricardo Cristófaro, Dane de Jade, Enrique Coimbra, Gyovana Machado, Frederico Lopes, Caroline Stabenow, Gabriel Garcia, Marcus Cardoso, Kariston França, Paola Frizeiro, Luisa Biondo.

R$35,00


Clique na imagem para acessar a loja virtual da Bodoque!

Deixe uma resposta