O Verbo Estar

Quem sou eu?
Ponho-me a pensar.
Batizado nas águas do devir,
Sou plural ou singular?


Sou homem, mas
Sou mulher, mas
Sou ambos e mais.


Sou um animal
Fincado na terra
Com cabelos de folha.


Quem sou eu?
Sou eu quem sou
Quem sou eu,
Sendo quem eu quiser.


Quem sou eu?
Tudo que um nada é.
Não escrevi o começo
E jamais escreverei o fim.


Sou você.


Somos
O verbo estar.Sem brinco, sem barba,
Sem pelo, sem nada,
Busco renascer.
Quero voltar a ser
O que um dia fui.
Um barro virgem,
Um desconhecido burro,
Um corpo em vertigem.


Pra seguir a dança,
Não basta uma dama.
Tampouco, basta esperança. 
Pra seguir a dança,
É preciso estar em mudança,
Desconhecer toda e qualquer previsão,
Jamais esperar pelo refrão
E pisar descalço onde não tem chão.

Guilherme Couto  tem 20 anos, faz engenharia na UFJF, mas vem da região serrana do rio. É apaixonado por arte e fã do modernismo brasileiro. Escreve pra se descobrir


Versão Impressa – Edição Conceito

Exemplar impresso da edição conceito da Trama, contendo os 10 textos mais lidos até sua diagramação. Autores selecionados: Ricardo Cristófaro, Dane de Jade, Enrique Coimbra, Gyovana Machado, Frederico Lopes, Caroline Stabenow, Gabriel Garcia, Marcus Cardoso, Kariston França, Paola Frizeiro, Luisa Biondo.

R$35,00


Clique na imagem para acessar a loja virtual da Bodoque!


Galeria

Apoie manifestações artísticas de rua. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.

Deixe uma resposta