9. Por uma Pinga

Eles desciam o morro do bairro Dom Bosco, pois Aufredo morava na ponta.

– Diz aí seu Chico, me fala homem. O que está acontecendo?

– Seu moço doutor, vô te falar, sô (pegou o boné dado pelo coronel Sebastião Bento, comprado naquelas feiras livres de tranqueiras quando foi visitar o litoral do Ceará, tirou-o de sua cabeça, amassou-o entre as mãos; depois a coçou): tava eu e Zé Esteves jogando uma sinuquinha no fundo do bar; a Bebela e o Ruela numa esfregação só com aquele som que sai daquela máquina; e um moço que a gente nunca viu por aqui entrou e pediu uma pinga ao seu Chico. Bebeu. Depois quis ir embora sem pagar. Aí o xará encrespou com ele, doutor. E a confusão começou.

– Peraí que vou ligar agora pro tenente Figueiredo. Ele está fazendo a ronda aqui no bairro hoje.

Pegou o telefone celular no bolso da bermuda e discou para o sr. Figueiredo, que era daqueles homens que só pelo seu porte respeitavam-no. Como se não bastasse, ainda carregava naqueles quase dois metros de altura e quase um e meio de largura uma voz grossa, um jeito rude de falar e mãos enormes que impunham respeito e marcavam muito rosto de playboy pela cidade. E o chefe Aufredo era daqueles homens que pelo seu jeito de ser o respeitavam. Como se não bastasse, conhecia meia cidade, entre os quais os principais articuladores da vida do município. E, no meio policial, quase que era venerado por todos – desde os federais até os chefões da Polícia Militar. Imagina o que uma ligação quase de madrugada não poderia causar no sr. Figueiredo.

– Alô, tenente Figueiredo. Aqui é o Aufredo. Tô indo apartar uma confusão no bar do Chico. Por favor, se possível, se dirija até lá, pra tentarmos resolver a questão… Sim, sim… acredito que daqui a cinco minutos… muito obrigado, tenente.

Desligou o telefone, aumentou o passo arrastando suas chinelas tradicionais havaianas, sempre acompanhado no trajeto pelo sr. Chico; apalpou o bolso, percebendo que estava sem cigarros, pois o havia esquecido na mesa de roda de boi de sua varanda. Pediu um ao vizinho, que o cedeu gentilmente, passando um isqueiro às suas mãos para acendê-lo enquanto desciam apressados. O bar ficava na esquina, no pé do morro, ao lado do açougue do Ademir, que se encontrava fechado no momento, dono da linguiça de lombo mais gostosa da cidade. Chegaram e encontraram o moço, baixo em estatura, cabelos crespos pretos e sem corte há mais de três meses, magro, negro, aparentando ter em torno de 25 anos, apontando na cara do dono do bar todos os dedos das mãos e gritando. A jukebox já desligada, Bebela e Ruela assustados num canto atrás dos vasilhames de cerveja e o sr. Zé Esteves tentando acalmar os ânimos do rapaz.

– O que está acontecendo nesta porra!

Aufredo, antes de proferir essas palavras com sua voz mais grosseira, deu um murro na porta de aço semifechada do bar, causando um enorme estrondo e chamando atenção pra ele.

– Doutor, esse homem aqui não quer pagar o que ele consumiu aqui no bar. Não vou deixar nenhum vagabundo sair daqui sem pagar pelo que deve. disse nervoso o dono do estabelecimento.

– E quem você pensa que é, negão? disse o rapaz ao Aufredo.

– Não interessa quem eu sou ou deixo de ser; você que pague o que deve. E vai pagar agora.

O rapaz, com a mão direita, passou a mão nas costas e puxou uma faca pontuda, com lâmina de 15 centímetros em corte diagonal levemente arqueado, apontando-a para Aufredo e realizando um movimento brusco pra frente, ficando a meio metro dele. O delegado, imóvel, movimentou somente os globos oculares, acompanhando a mão direita do garoto. Com a sua esquerda, num movimento preciso e felino, agarrou o pulso direito do rapaz, fazendo-o derrubar a faca. Com a outra mão, imobilizou-o, pisando com um dos pés na arma branca e jogando-a na rua, como quem realiza um passe de calcanhar pro seu companheiro de futebol no intuito de consagrá-lo com um gol mágico e sem goleiro. Girou o pulso do garoto e o fez ficar de costas para ele, dando um golpe de gravata em seu pescoço. Logo após, chegou o tenente Figueiredo na moto policial (fazia sempre suas rondas dessa forma – era um lobo solitário), apeou-se, puxou o pobre já imobilizado das mãos do delegado e desferiu um sonoro tapa com sua melhor mão na cara do sujeito, fazendo inchar na hora a parte onde a pele da mão do tenente tocou.

– Que que tu tá fazendo, seu vagabundo! Esse é o delegado Aufredo, seu puto! Mais respeito.

O rapaz, tonto, cambaleante e vexado de vergonha, olhou assustado para aquele homem à sua frente. Todo vagabundo da cidade, por menor que fosse, conhecia a fama do delegado Aufredo – senhor de mil acessos, o queridinho dos promotores públicos da cidade, pois não havia uma causa criminal dele que ficasse sem uma condenação justa.

– Desculpa dr. Não sabia que era o senhor.

– Tu vai é em cana, seu filho da puta. o tenente Figueiredo o segurou pelo pescoço, agarrando-o firmemente.

– Deixa, deixa Figueiredo. Só o faça pagar pela pinga ao sr. Chico aqui.


Darlan Lula é doutor em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense. Escritor, autor de cinco livros, entre prosa e poesia. www.darlanlula.com.br



Galeria

Apoie pautas identitárias. Em tempos de cólera, amar é um ato revolucionário.


Cadastre-se e receba as edições por e-mail!

Deixe uma resposta