Piruá

Não, Deus, eu não te busco
Mentia ao dizer saber quem Você é
Não, eu não sou injusto quando afirmo pensar
Que o pensar é traiçoeiro
Pois, veja bem, quem leu o primeiro afirmar
No verso inaugural dessa canção, em sua maioria achou Que se tratava de uma negação
Pois bem, não é
E você sabe, Deus, não te procuro
Porque te achei faz tempo,
Porque te vejo dentro de toda expressão de amor

E quando a fé se complicou, a insegurança me bateu Tal qual pandeiro
Sorrateiro chegou o amor, me levou e me fez lar

Longe dos bordões da massa
Vi banda passar na praça
Vi beleza no ensinar, me provando do contrário Todo meu imaginário era feio e solitário
E tão falho ao tentar aplicar definições

Redenção, eu vi teu berço Vi crença dormir no terço Salvação, vi teu crescer Espanto extraordinário:

É que hoje os trens andam no horário em mim, sim, escolho crer Que a dúvida persista, mas com Ele eu vou
Mesmo que Ele não exista


Diego Neves é músico integrante da banda Legrand, designer gráfico, sociólogo em formação e aspirante a escritor.


Quer ajudar a manter a revista? Siga a Bodoque Artes e ofícios no Instagram e compartilhe com os amigos!

Cadastre-se e receba as próximas edições da Trama por e-mail!


Galeria

Apoie causas humanitárias. Em tempos de cólera amar é um ato revolucionário.

Deixe uma resposta