Café Latte

 A cena se dá ao livre em um
Café cheio de mesas 
do lado de fora
não pinto aliás a cena, mas sim seu 
efeito em mim:
meninos tentando parecer crescidos
ao lado e a todo redor é 
o que mais se vê
Fala uma moça que a
filha deva se candidatar a 
vereadora – ela ri, olha para
os lados com vergonha como
se fosse a vergonha de esconder
esse desejo
Outro moço, mesa ao lado
quer investir em marketing – 
sua amiga lhe dá dicas do
que é imprescindível como 
por exemplo instagram
(ele segue anotando tudo em seu notebook macbook)
o instagram, não esquecer, post-its, notas
há de se investir pesado no instagram
Mesa da frente, um encontro entre 
velhos amigos todos de uniforme
das Casas Bahia
são inevitáveis, percebo
são inevitáveis as marcas os brandings 
o merchandising nas mesas
de café que adentram o texto
é inevitável ouvir o brilho na fala
e a banalidade da voz
quando dizem os nomes 
dessas coisas todas que inventamos os
nomes próprios das coisas enquanto
desenhamos logomarcas na mente
cantamos jingles 
ecoam slogans
e bebemos café gelado pois faz calor
Porções de pastel e o grupo das
Casas Bahia tirando uma selfie
mais ao longe porque já vão embora 
os sorrisos encenados estendendo longamente
a vogal EEEEEEE em gritos moderados – 
Ao meu lado uma garotinha 
que entendi se chamar Sofia
pede à garçonete um suco de couve
suco verde detox
o branding do momento: sucos verdes e detox
Sofia,
diria meu avô, 
está surfando na crista da onda.
Logo atrás de mim,
duas moças brindam com tintin,
eu leio seus lábios facilmente
como leio esses espaços
onde vamos porque queremos
prestar atenção
perder uma tarde
às vezes os dois
são dias de sobrevoo.

Pedro Fonseca é artista visual em fase de dar tempo às coisas. Enquanto isso, transita entre a escrita, o desenho e a fotografia como forma de leitura de mundo. Atualmente, está finalizando o mestrado em Artes, Cultura e Linguagens na UFJF. Portfólio – contato: psfonsec@gmail.com


Comente aqui em baixo o que você achou deste texto!

Deixe uma resposta